Pular para o conteúdo principal

As crianças adultas

Um assunto que me deixa bastante preocupada é a falta de inocência das crianças de hoje. São crianças de 13 anos ou menos tendo filhos, as crianças de cinco anos brincam mais de vídeo game do que de bola, nunca brincaram de Seu Mestre Mandou, não sabem o que é fazer a roupa da sua Barbie e várias outras brincadeiras simples que eram comuns na vida de uma criança há uns 10 anos atrás. O que mais me entristece são os pais dessas crianças. Eles acham que isso é normal, eles aprovam o namoro de crianças de 11 anos, eles ficam felizes quando seus filhos preferem assistir TV e jogar vídeo game do que brincar com outras crianças, pois assim dão menos trabalho. As crianças de hoje possuem total acesso ao facebook e pelo que vejo por aí os pais não têm controle nenhum sobre o que seus filhos postam e o que eles podem ver na rede. Sou de uma época em que ser criança era ir pra rua brincar, era reunir as amigas pra brincar de boneca e fazer roupinhas pra elas, era ser apaixonada por um garoto sem nunca ter conversado com ele, era ser criança agindo como criança. Alguns podem me dizer que só vivi isso porque fui criada em uma cidade pequena onde não existiam riscos ao sair nas ruas, mas acredito que não é bem assim. Primeiro, porque mesmo em uma cidade maior existem parques pra que os pais levem suas crianças e a falta de dinheiro não é desculpa, pois existem brincadeiras que podem ser feitas em casa, basta que os pais incentivem. Segundo, porque quando visito minha cidade ela parece um deserto, não tem crianças brincando na rua mais, apenas vejo crianças brincando de namorar ou indo para os bares sem os pais, o restante está no facebook. Realmente hoje é mais difícil para os pais conviverem com seus filhos e evitar esse tipo de coisa, mas acredito ser possível criar um filho de modo que ele seja criança quando deve ser. São poucos, mas ainda existem.



FACEBOOK NÃO É LUGAR DE CRIANÇA. 
TV NÃO É BABÁ. 


Postagens mais visitadas deste blog

Sobre tipos de amizades.

Aquelas que parecem, mas não são.
Aquelas que nunca foram próximas, mas consideramos e sempre lembramos.
Aquelas que não passam de boas risadas no bar, mas não deixam de ser ótimas.
Aquelas que nunca deveriam ter sido, mas nos trouxeram grandes lições.
Aquelas que te dão tapas bem merecidos na cara.
Aquelas que te tiram da merda.
Aquelas que fazem merda com você.
Aquelas que ninguém acredita que é só amizade.
Aquelas que só estão presentes nos grandes momentos.
Aquelas que, por fim, são do caralho. São de verdade, são pau pra toda obra, nos entendem até no silêncio e mesmo longe, estão perto. Para todos esses: obrigada. Por tudo. ♥







Por mais Ivo, por mais arte na música.

Sempre gostei de conhecer a origem e o significado das músicas que ouço. Hoje, ouvindo pela milésima vez o novo CD do Ivo Mozart, presto um pouco mais de atenção na música "Se Eu" e fiquei simplesmente encantada com cada verso. Confesso que estuprei o repeat. Mas, até então, achava que fosse apenas mais uma música romântica. Engano meu, a música foi uma homenagem para o pai dele (que já faleceu, seu anjo, como ele mesmo diz). O resultado? Me apaixonei ainda mais pela música e pelo Ivo. Sabendo disso, impossível não aflorar aquele meu ladinho sentimental pouco apresentado. Me lembrei de dois caras sensacionais que tive o prazer de ser neta (uma puta saudade!) e a música fez mais sentido.
Por fim, o recado que deixo é: já pararam pra pensar no quanto vocês valorizam artistas que criam com o único e exclusivo objetivo de ganhar dinheiro? Não que seja errado vender (isso também é super necessário), mas fica a reflexão. ~


"Ainda me lembro da temperatura
Da tua mão fria quando …

Se acaso quiseres, ela é dessas mulheres.

Ela é dessas que não gosta de flores nem de muito sentimentalismo. Ela é do tipo que valoriza mais o beijo na testa que o buquê de rosas, mais a parceria que o "eu te amo" vazio. Paranoica e desconfiada, costuma desconfiar das coisas boas e, talvez por isso, ainda não aprendeu a fazer um carinho sem antes receber. Já percorreu caminhos dolorosos, mas sempre levou tudo com otimismo e força de vontade, e por isso não se contenta com pouco. Ela faz o que dá na telha, bebe e fala alto no boteco, mas também adora curtir a fineza de apreciar um bom vinho com ela mesma. Flexível, calma e paciente, ela também perde os sentidos quando fica nervosa - talvez porque suporta as coisas por tempo demais. As pessoas costumam achar que ela é meio estranha e louca, porque não gosta de flores, não tem um cachorro e não gosta do frio. Mas ela sabe que julgamentos não a definem.
Se acaso quiseres, ela é dessas mulheres. ~