Eu queria.

Ah! Eu queria.
eu queria

Queria ser um pouco mais impaciente o tempo todo, pra que não fosse uma surpresa quando eu me irritasse do nada, queria não guardar tanto as coisas pra mim.
Queria saber dizer e demonstrar o quanto eu gosto de algumas pessoas. Eu queria querer ser mais romântica, queria querer receber flores e ouvir palavras que mesmo sendo mentirosas confortam.
Queria ser um pouco mais sensível e preocupada com tudo, queria não ser quem sempre acalma todo mundo.
Queria um mundo melhor, e queria voltar a acreditar que isso fosse possível.
Queria ganhar um abraço da minha mãe quando as coisas não estivessem bem, um do meu irmão quando achasse que não existe inocência no mundo e outro do meu pai quando precisasse me sentir mais segura; e queria que fosse sempre que eu precisasse.
Eu queria que as coisas fossem mais simples, queria não querer ter muito, queria não querer tanto.

Relacionamentos são como sapatos.

sapatos

Há o caso platônico, que você baba na vitrine e não tem coragem de pagar tão caro. Alguns você compra sabendo que irá enjoar no terceiro "encontro" e outros já sabe de cara que não vai aguentar nem por uma hora. Os confortáveis são ótimos, você poderá usar em diversas ocasiões e acha que nunca irão te machucar. Mas um dia eles deixam de ser suficientes, pois não levantam a sua autoestima mais, você passa a sentir falta daqueles sapatos te fazem suspirar. O problema de qualquer sapato é que eles não duram o quanto gostaríamos que durassem. Daí, você conserta uma, duas, três vezes [...] e fica toda feliz quando volta a usar aquele sapato adorável, então ele estraga outra vez e o ciclo se repete tanto que você acaba precisando decidir se aposenta o sapato, o deixa ali só pra olhar ou se livra dele de uma vez. Afinal de contas, você já não faz bom uso dele.